quarta-feira, 6 de junho de 2012

Conceito de Amor


Certa feita fui perguntado sobre o que é o amor.



Depois de refletir sobre meus ensaios sobre o amor.

Respondi após certo tempo...



“O amor, às vezes me passa a idéia de que é um sentimento mútuo promovido pela empatia a qual transmite segurança e remete aos envolvidos o sentimento de liberdade um para com o outro, o que contraria os sentimentos de serem invadidos e presos, ao contemplarem as partes envolvidas no compromisso de satisfazer suas necessidades fisiológicas, emocionais, intelectuais, sociais, jurídicas, financeiras, culturais e espirituais de que dependem do outro enquanto seres relacionais, de modo consciente, maduro, espontâneo, responsável, imparcial e incondicional.”

Ou ainda,

“O amor não seria também, confiar no outro, sabendo-se seguro sem forçar?

Amor não seria reconhecer as necessidades do outro e agir para satisfazê-las, não esperando a cobrança para este amor em ação?

As cobranças causam a condicionalidade a qual, denota a falta de amor.

Amor é feito amor de Jesus...

É uma entrega total, sem se anular, sem se perder, e assim, sem anular e fazer perder a grandeza que se “é” em Deus, e de Deus.”



Aliás, “filho de peixe, peixinho é”

Nenhum comentário:

Postar um comentário