terça-feira, 28 de setembro de 2010

Lembre-se...

Lembre-se, que quando chorou, chorei também;
Assim, como quando sorriu, sorri também...
Quando me amou, te amei também.
Veio a separação, não por falta de amor,
Pois este sempre foi demais.
Mas por divergentes opiniões.

Busquei novo amor...
E amei... mesmo te amando.
Um dia sequer, deixei de pensar em você.

No novo amor, que amei também,
Me lembrei do amor gostoso que fazíamos "tontos" na madrugada,
Na rua às escondidas, no quintal de casa, das nossas rapidinhas...
Tudo isso, quando o novo amor me gelava.

Nas situações que vivi com o novo amor,
Muitas me traziam o desejo de te ter novamente
Em meus braços.
Cruel orgulho, que cega...
O novo amor, tinha tudo pra dar certo...
Mas com o tempo, veio as horas de solidão...
Vazio, tristeza, escuridão.
Nas quais me lembrava do quanto me amou,
E que mesmo com seus defeitos,
Sempre se fazia presente.

No trato, no carinho, e no sexo sua dedicação
Sempre foi excepcional.
Coisas que o novo amor só dedicava à prestação.

Me lembro das lágrimas de sangue...
Que se não saem dos olhos, saem da alma,
Por não ter dado valor ao seu amor.

Mas mesmo assim, decidido que estava,
Seguia com o novo amor, buscando amar
E ser amado.

Mas tudo passa...
O novo amor se foi.
E eu e você já a tempos não somos dois...
Somos como pássaros livres para viver...
Mesmo que seja um grande e novo amor...

Espero que pelo menos reste a amizade
Em nossas relações, para que sem culpa,
Possamos enchergar o amor que vivemos
E possamos dizer "veleu a pena".

Mas como tudo neste mundo é passageiro...
Mas como nesse mundo tudo é dinâmico...
Eu também o sou, e preciso seguir em frente...
E em frente eu vou, com uma experiência a mais,
Que com certeza me possibilitará ser mais feliz...

Nasci para amar...
Só me resta o presente, o qual me impulsiona
A seguir em frente, e quem sabe
descobrir ou ainda redescobrir o amor.

É tempo de luto...
É tempo de luta...
É hora de libertação.

Metamorfose que me transmuta e me prepara para
Ser nova criatura...
Transmutação que me abre novas possibilidades...
Novos sonhos...
Novos rumos...

Em frente eu vou...
Por que, quem cisca pra trás é galinha...
E quem anda pra trás é caranguejo...
Mas se partindo daqui, quiser ir comigo...
É só felicidade.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

A última carta

Se pedi a separação não foi por falta de amor...
Muito pelo contrário, foi por não me adequar
Ao que você esperava de mim...

Enquanto eu te amava e te queria perto...
Enquanto eu te deseja e te queria no amor e no sexo...
Enquanto eu me doava por completo...

Você se afastava e só falava que me amava...
Mas nas suas ações...
No que tinha pra hoje...
Você foi me expulsando da sua vida...

Se pedi a separação, foi por não aceitar ficar longe de ti...
Se pedi a separação, foi por não querer ficar longe
Dos seus carinhos, do seu amor e presença.

Mas você preferiu ficar debaixo das asas genitoras...
Preferiu não crescer...
Se é sua vontade, E´direito seu, não posso negar.

Mas por isso e por me amar, não foi possível continuar.
Você sempre soube das minhas intenções...
Mentiu, omitiu...Adiou sonhos e promessas.
De sete viraria dezessete...
E eu quase aceitei esperar...

Não quis jamais me opor à sua família.
Só quis formar com você uma família.
Uma família baseada no amor, respeito,
COMPROMISSO, e cumplicidade...
Coisa que não vinha acontecendo.

Você se entregou pouco, esperando se entregar no futuro.
Você me isolou, me gelou...
E assim, foi me expulsando da sua vida,
Quando me oferecia ausência de você...
Bobo seria eu se aceitasse.

Quando se dedicava aos outros e me fazia promessas de
Um futuro incerto, eu tentava me adaptar a você...
Tentava levar a situação.
mas não deu.

Meu orgulho e amor próprio mais uma vez me fizeram decidir recomeçar.
que pena que não foi com você.
Pena que você nem percebeu...
Seu amor não foi suficiente...
Que pena.

Mas sigamos em frente, se não foi,
Diria o poeta, é por que não era pra ser...
Mas tenha certeza, que o pouco que construímos,
Me fez ver em você a amiga, a irmã
Que espero uma dia, após cicatrizarem as feridas
Possamos confirmar.

Saiba que o amor que tive por você, ainda existe...
Que nesta história por minha parte tudo está perdoado...
Já não existem culpados...
O amor, resiliente que é,
Se transformou em algo pra nós que pode ser um bem maior.

domingo, 26 de setembro de 2010

Bagunça, credo...

Estou aqui, com uma vela acesa, cadeiras para o alto,
Móveis afastados.
Empunhando rodo, vassoura, pano e produtos de limpeza.

Faxino a minha casa entre lágrimas...
E assim, me distraio, pois faxinar a bagunça do
Coração está difícil.

Só o tempo pode curar a dor de uma ausência.
Só o tempo pode curar a dor de um amor que se foi.

Não há nada a fazer.
Não existem produtos de limpeza
Que realize a faxina do coração.

Somente o tempo, a paciência, a esperança
E o amor podem renovar, reciclando o coração
Espedaçado; Que perdido escurece a alma
Que clama por socorro e avivamento.

Faxina



Minha casa está limpa...
Retirei todo o pó.
Pena que o coração é exigente,
E age no oito ou oitenta.
Se regozija nas alegrias,
E se despedaça com as desilusões.
Para recompor, só o tempo.

Chora minha alma

Minha alma chora...
Dela saem lágrimas de sangue.
Pois um pedaço se foi
Como poeira ao vento.
Pensei que seria para sempre.
Mas o para sempre ainda não é.

Chora minha alma...
Chora.
Teu choro escarlate cicatriza as feridas.
Teu choro escarlate me fortalece.
Teu choro escarlate me prepara.
Teu choro escarlate me renova.

Chora, chora o choro dos aflitos,
Que clamam por misericórdia...
Chora, chora sem demora o choro que me esvazia.
Chora, para que eu possa me refazer e me encher de novo.

Amor X Amizade

Na cadência ritmada do meu coração...
Uma música fúnebre encerra um grande amor...
Mas como na vida nada se perde...
Algo maior transcende.
Espectro refletido na terna, pura,
Sincera esperança de uma grande amizade.

Vida nova

Minha alma no mais profundo do meu ser, busca a luz...
Luz que anima e faz viver...
Luz que alegra e me faz ser:
Um ser que ama;
Um ser chora;
Um ser que canta.
Chuva, sereno, enchorrada, que da
Telha se faz escaldada.
Lava-me de toda sujeira,
E me faz vida nova no criador.

Tudo passa


O que fazer quando o vazio imenso invade seu ser?
Quando a alma chora e arranca suspiros?
Quando sem rumo já não sabe o que fazer?
Quando não se visualiza um futuro, o
Qual obscuro e incerto se potencializa?
O que fazer?
Dormir, sonhar e lutar.
Amanhã é um novo dia, tudo passa.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Saculejos...

Quem foi que disse que amar, é ser feliz todos os dias?
A vida e o amor são como almas gêmeas...
Estão sempre em busca de se unirem...
Embora, saibam que uma união é cheia de altos e baixos...

Saculejos que abafam a comodidade.
Saculejos que transformam sonhos em realidade...
Saculejos que moldam o ser...
Saculejos que aprimoram...
Saculejos que fazem com que amor e a vida busquem
Unir-se constantemente.

União, que com o calor, visgo vermelho sangue.
Se mantém,
Num processo continuo de avivamento...
Que se vê por toda a terra.

Das certezas, incertezas...
Das verdades, inverdades...
Das estrelas os sonhos...

Da queda, a construção de uma realidade..
Que com rima ou sem rima atrai os corações
Num sopro que une os viventes, mortais e imortais. 

Seguir amando

Às vezes acordo com o desejo imenso de seguir a vida sem amar.

A gente ama, se entrega...
Sofre, se alegra, chora e sorri.

Há desentendimentos...
Há as brigas,
Os contetamentos e descontentamentos.

Às vezes estamos por cima...
Outras vezes estamos por baixo.
Tristeza, alegria, nostalgia.

Aos trancos e barrancos percorremos o caminho.

Mas seguir a vida sem amar...
Ainda não é a solução.

Seguir a vida sem amar,
É pensar pequeno...
É pensar de mente vazia.
É tornar-se, ser inerte, estéril a vagar por um mundo
Que só existe EM CONSEQUÊNCIA DO AMOR.

Paixão, amor e sexo


Fico a pensar...

Por que se deita longe e sonha o nosso amor,
Se pode me ter a hora que quiser?

Fico aqui a te esperar...
E você cansada não vêm.
Diz que vai dormir.

Ao acordar escreve poesias
De um sonho em que me teve em seus braços.

Isso me deixa confuso?????????????
Será que sou melhor nos sonhos?
Ou será que estes sonhos escritos
Em poesias são com outro amor?

Você fala que me ama várias vezes ao dia...
Me beija.
Me joga na cama...
E na maioria das vezes se vai.

O cansaço é maior.
O sono é maior.
O sexo gostoso fica pra depois.

Será que sou eu que quero de mais?
Ou será você que se satisfaz com pouco?

Será que quero só sexo?
Ou será que quero os dois?
Amor e sexo são tão bons.

Meu fogo e calor se intensificam
Quando me aproximo de você.

Será que sou errado em te desejar?
Ou será você a errada em me evitar?

Fogo que se acende.
Fogo que se apaga.
Em mim, fica a ansiedade, o medo,
A insegurança e às vezes
A angustia da incerteza do seu amor.

Sei que amor não é só sexo.
Mas, sei também que a ausência de sexo
Muitas vezes denota falta de amor.

Se me ama ou não,
Me fale ao pé do ouvido.
Com ou sem sexo, por amor vou te entender.
Se me amas, por te amar,
Até abafo um pouco o meu fogo.

Embora, fosse tão bom que você
Maximizasse o seu amor...
De maneira que o encontro fosse uma
mistura inebriante de PAIXÃO, AMOR E SEXO.

Amor real

                                                                
No mundo, cada ser humano vive e entende o amor ao seu modo.
Cada um segue a sua lógica, sempre partindo de si para o outro.

Penso que isso não é errado, pois é preciso se amar primeiro.
Mas quando o amor narcisista é superado, e uma outra pessoa entra na nossa história, o que fazer?
A lógica deve ser a mesma, ou deve se considerar a lógica do outro?

É indiscutível as diferenças neste viver e entender o amor.

Diferenças que muitas vezes aproxima.
Diferenças que muitas vezes distancia.

Há diferentes amores...
Isso é uma certeza absoluta.
Há amores que se completam.
Há amores que se esvaziam.

Amores, amore, amor.

Alguns preferem o amor virtual...
Outros preferem sonhar o amor...
Há aqueles que preferem viver intensamente o amor.

Qual será o amor ideal?
O virtual?
O do sonho?
O real?

A cada um cabe o seu mal,
Ou seja, o seu jeito de amar.

Jeito que encontra jeito;
Jeito que combina;
jeito que completa.

Geralmente, o amor não é aquele que se escolhe, é aquele que acontece.

Mas, eu pessoalmente prefiro o amor real.
Ali, cara a cara;
Olhos nos olhos;
Boca na boca;
Abraços, beijos, carícias...
Calor e amor intensos.

Não descarto o amor sonhado que se desperta
Aos afagos assanhados com a pessoa amada.
Amor que se tempera durante o dia, e que de virtual
Se torna real a cada novo encontro.