quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Comunicação e natureza


Comunicar hoje em dia, é quase imaginário,
ou melhor, virtual.

Têm-se extinguido o toque, aquele que antecedeu
aos teclados, bem como o carinho, os olhos nos
olhos e o abraço.

Brincam até, que futuramente os bebês nascerão
de impressoras em 3D.

Mas é sério. Pois fatos e acontecimentos gelam
e engessam almas em telas touch screen.

Atropelam o bom português e uns outros enfim.
Não que o tradicional seja melhor, mas que a
busca do equilíbrio entre o antigo e o novo seja
o mais viável.

Caso contrário, como ficará?
O caos seria a resposta, a irracionalidade talvez,
ou quem sabe desumanização de cada ser.

Homens e mulheres de várias idades, frios e
mecânicos, mergulhados em luzes, cores e jogos
de ilusões, sem ao menos sentirem ou saberem
que a vida segue em vão, e que muitos se utilizam
disto para fazerem o que quiserem com as pessoas
e com o mundo.

E os rios, cachoeiras, florestas, céu estrelado
e lua cheia? ...
Meras fotografias e vídeos no YouTube.

Alienação...
Banalização do ser e do meio ambiente...
Prato cheio para os predadores e poderosos
detentores do poder.

Será um dia tudo assim?
Será um dia este nosso fim?

A resposta está em cada um de nós e em nossas
ações no presente, que por mais dura que seja a
realidade, é algo seguro, palpável e real.

Há o toque...
Há os olhares...
Há os abraços...
Há as falas ao pé do ouvido.
Há os olhos nos olhos.
Há a entrega de corpos e mentes e corações.
Há o prazer real de sentir a brisa no rosto, a areia
da praia sob os pés ou dentro das roupas intimas,
a pressão da cachoeira, o canto dos pássaros
e muito mais.

Algo que nenhuma tecnologia supera, e que nenhum
jogo de entretenimento e outras fantasias substituem.

Mas as escolhas são pessoais, embora as consequências
muitas vezes sejam coletivas.

Eu prefiro a entrega humana, de mim, para os outros
meus semelhantes no bem e no amor, no mais um viver
com certas moderações, pois é certo que tudo nos é
permitido, mas nem tudo nos convém.

É certo que as tetas terrenas um dia secam, e a mãe
terra com certeza cobrará os seus investimentos,
ou o que dela foi tirado de modo irracional e insustentável.

By Adalmir Oliveira Campos
adalmir-campos.blogspot.com.br
adalmiroliveiracampos.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário