quarta-feira, 16 de maio de 2012

Visão do Paraíso




Ontem recebi um telefonema.
Será que veio do além?
O encontro foi marcado.
A  ansiedade da espera foi tremenda.

Será um sonho?
Ou será o início de um pesadelo?
Medo, angústia, reflexão.

Chega a hora derradeira.
O coração dispara e acelera em um ritmo
Que provoca taquicardia,
Suor frio,
Esperanças.

A parafernália negra, parecia ter descida do céu
Surge lá fora.
A porta se abre.
Alguém que sai de lá, sorri.

Devia ser um sonho mesmo...
Pude ver o céu estrelado naquele sorriso.
Um breve oi. Como vai?

Entre, sente-se, conversemos.
Troca de olhares.
Dedos procurando dedos.
Partilha de energias.
O primeiro beijo.
Beijo tímido, como que se adaptando um ao outro.

O calor aumenta.
 O filme global já não interessa mais.
E a televisão dá lugar a um fundo musical, que parece acompanhado por fogos de artifícios no céu.

Minha boca seca...
Busca água para beber.
E a encontra em seus lábios.
Um abraço forte...
Nos vi jogados na cama.
E como entre nuvens me senti, como a tempos não me sentia...
Arrepios, sussurros, o céu.

Beijos, carícias, toques, afloravam todos os sentidos.
Desejei caso fosse sonho que fosse eterno.
Neste sonho, ao tê-la em meus braços, percebi a riqueza da criação e firmei a crença na existência do Criador, por tamanha perfeição.

Você é poesia...
Você é obra prima...
Deus com certeza é um Artista, e diga-se de passagem, o melhor...
Capaz de produzir feição tão angelical.

Entre dormir e acordar
Entre beijar e abraçar
Entre ser real ou sonho.

Aconteceu a entrega.
E mesmo sabendo não poder ser seu,
Me entreguei e vivi aquele momento único e mágico.
Que possivelmente não se repitirá.
Pois entendi em seus olhos, que seus sonhos não poderei contemplar.

Se houvesse a oportunidade do retorno à terra em outra forma que te satisfizesse plenamente, não me hesitaria em deixar morrer em mim o que não te contempla e permitiria colher os frutos que deseja colher na vida.

Mas esta obra prima, somente o Criador é capaz de realizar.
Sabendo não ser possível, não pretendo destruir seus sonhos e impedir que colha os frutos, cuja semente deseja semear.
Deixo-te partir.

Mas fica no coração a lembrança deste momento que foi possível a paixão e o amor se alinharem.

A porta se abre, se fecha.
A parafernália te levou.
Ouvi um breve adeus.
Mas mesmo assim meu coração se alegrou, pois tive uma visão do paraíso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário