segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Já tive dias de mais sorrisos


Já tive dias de mais sorrisos.

No tempo, nas labutas do dia a dia.
Nos romances que se foram.
Nos sonhos que se perderam.
Na fé que se abalou.

Muito dos sorrisos deram lugar
a um semblante neutro.
A um corpo que perambula por ai,
na busca de novamente deixar
brotar o sorriso na inocência das crianças,
na rebeldia dos adolescentes,
na avidez dos jovens sonhadores,
na maturidade dos adultos, e
na simplicidade dos idosos.

Já tive dias de mais sorrisos.

Mas deixei que me roubassem,
permiti que me limpassem
os esboços do ser que era feliz.

Maldita inveja... Malfazeja.

Estaca zero novamente.
Abismo e caos.

Remoem dentro de mim a criança,
o adolescente, o jovem, o adulto e o velho,
que nas águas turvas, nas tempestades
de céu cinzento anseiam a luz do sol
que alumia a todos e a todos dá a chance
de novas alegrias e novos sorrisos.

Já tive dias de mais sorrisos.
E espero um dia tê-los novamente.

Na segurança do auto-amor.
Na fé em Deus salvador.
No amor restaurador.
No trabalho que dignifica.
Na família e amigos que ausentam
a solidão, e os vazios que habitam
mente e coração.

Já tive dias de mais sorrisos.
E espero um dia tê-los novamente.

No alegrar de uma nação
Onde se tratem como irmãos.
No alegrar da libertação deste "trabalho"
que é mais escravidão.
Na verdade política que tanto se precisa.
Na paz, na não guerra.
No chegar do alimento a quem se nega.
Na educação que liberta e torna desnecessária
as prisões.
Na fé que não aliena, e a Deus nos leva.

Já tive dias de mais sorrisos.
E espero um dia tê-los novamente.

Quando perder o medo que as atuais sociedades impõem.
Quando me sentir incluso, aceito e respeitado como irmão.
Quando sentir que minha casa vai além das paredes e muros físicos
nos quais me tranco.
Quando perceber que meu valor não é mais nem menos do que
dos outros, e que de algum modo somos iguais.
Quando o auto- amor me permitir amar e confiar no próximo,
como em mim mesmo.
Quando não precisar temer condenações de juízes instiuídos
pelo egoísmo, pela inveja, pela maledicência e por toda maldade humana.

Já tive dias de mais sorrisos.
E espero um dia tê-los novamente.
Nem que para isso seja preciso nascer de novo.

By Adalmir Oliveira Campos

Nenhum comentário:

Postar um comentário