sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Por um mundo, humanos rosa


Desde botão a rosa encanta.
Sejam pelas formas arredondadas, sejam pelas
cores exuberantes, ou ainda pelo perfume
que exalam.

Quando abrem roda, o botão se vai e a formosa
roseira mais bela se faz.
Não há quem passe desapercebido e se o há, é
por que perdeu a sensibilidade e o romance.

A rosa em roda, aberta para o mundo se entrega,
essa é a sua função, encantar os olhares, se doar,
perfumar e fazer o bem ao mundo.

Se chegou a ser rosa, é por que superou os espinhos,
deixando-os para trás e seguindo em frente e para
cima, se erguendo em galhos altiva.

Se deliciam com o pouso dos pássaros.
Se multiplicam das podas que o jardineiro semeia.
Atiçam e encantam casais enamorados, testemunhas
célebres de vários momentos de ocorrências de amor.

E a roseira segue sua sina de espalhar rosas pelo mundo,
dando sempre o seu melhor, pois se assim não o fizesse
nem rosa seria, pois a essência seria outra.

Ser rosa não é fácil, é suportar as tempéries do tempo,
os bons e os maus momentos e ainda florir, espalhar
perfume e cores.

Quem deras os humanos se descobrissem assim no
tratamento de uns para com os outros.
Com certeza o mundo seria um jardim bem mais colorido
e perfumoso.

By Adalmir Oliveira Campos
adalmir-campos.blogspot.com.br
adalmiroliveiracampos.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário