quarta-feira, 8 de maio de 2013

Auto amor



Dizem que devo buscar me amar mais...
Fico sem entender.
Dizem que tenho que aprender a viver comigo mesmo,
que é importante este momento de migo comigo.

Mas já tô cheio de meu umbigo ver.
Há a necessidade de um abraço amigo,
de um olhar de desejo, que me faça sentir querido.

Me falta algo a mais que eu não posso
me proporcionar.
Como um beijo quente...
Um toque de mão a deslizar...

Beijos e carícias que me lembram o sexo,
Que defino entrega de amar.

Sou humano eu sei...
Sozinho não me sinto bem.
Se é falta de auto amor sei lá.

Freud não conseguiu me explicar.
Não me entra na cabeça o que é me amar,
nesse sozinho ter que ficar.
Me cuido, me embelezo.
Mas sinto falta do outro no encontro
que completa, que defino ser amar.

Sinto falta de olhos de desejos,
Estes olhos que me secam...
Estes olhos que se apetecem em mim.
Estes olhos que despertam desejos...
Este olhos que me excitam...
E me despertam instintos bons de saciar.

É um toque, um carinho, algo que eu não posso me dar.
E por me amar, busco sim, pois alguém junto a mim...
Felizmente me faz mais feliz.
É entrega que completa.
É entrega, que na entrega une e faz bem.

É sexo, é amor...
É algo que anima e aviva o meu viver.

Apetite ânimico e cósmico.
Que une almas gêmeas no que defino
ser amor, na entrega de si amar.

By Adalmir Oliveira Campos

Nenhum comentário:

Postar um comentário