domingo, 27 de julho de 2014

Banalidades sobre rimas e rimar...


Sobre rimas e rimar, sou um barco a motor,
pois não sei remar.

Poetas, outros tantos, este ofício fazem
bem. Eu, nem tanto, sou neném.

Miro as palavras e me ponho a escrever, escritos
saem para este mundo e são mais do que comerciais
de TV.

Retratam casais apaixonados, amor, religião e
muita coisa que o povo acha bão.

Alguns orientam.
Outros alertam.
Tem mais ainda, aqueles que alfinetam em defesa
das classes surradas e sofridas, feita das grandes massas.

Só quem tenta pode ser hexa, quem sabe penta,
embriagado na pedra noventa.

Mas rimar não sei ainda.
Quem sabe um dia aprenda e a realizar este ofício
a todos surpreenda?

Roma, amor e amora.
Rimar aqui demora, só pra quem namora.

Beijo no encontro de lábios.
Abraços a toda hora.
A vida só é dura para quem é mole.

Aroma, roma, amor.
Seja no frio ou no calor,
com rima ou sem rima,
seguindo a vida, fazendo arte,
fazendo escrita, eu vou.

Não é rima que me define, nem tampouco me afina.
No escrever, um bom texto, história ou poesia, é
aquele que o povo gosta e aprecia.

São lições.
É sangue na veia, e muito acrescenta ao viver.
Como na vida tudo é aprendizado, não temos nada
a perder.

Portanto, rimas, um dia pode ser.

By Adalmir Oliveira Campos
adalmir-campos.blogspot.com.br
adalmiroliveiracampos.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário