segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Ai ai desse ENEM


No ENEM não é fácil meu bem.
É verdadeira prova de resistência.
Será que compensa?

Acredito que sim, se é a oportunidade
da vez.

Mas é preciso muito esforço dos
jovens e isto se adquire desde pequeno.
Não adianta passar de ano de qualquer
modo como impõem os governos.

É preciso aprendizagem real, que vá
além de registro nos cadernos, que
abrigue as vivências, e promova um
bom presente.

"Passar de ano" a qualquer custo
para melhorar as notas às vistas
do mundo, só atrapalha a educação
e o desenvolvimento da nação.

Realmente escola pública só será
decente, quando acolher filhos,
filhas e netos de governantes,
incluindo os do (a) presidente.

Do que adianta passar batido,
e depois cobrar no vestibular,
no ENEM e na vida?

Educação não são somente notas,
são vidas que se transformam,
e vão além de testes matemáticos,
de gráficos, de regrinhas de
português.

Se não melhora a vida, se não
põe por terra a discriminação,
preconceitos e pobreza, de nada
servem, poeiras ao vento.

É do futuro que estamos falando,
não somente de trabalhadores, mas
antes de mais nada, de humanos,
estes simples mortais.

Se não tiverem uma boa base,
que dirão destes quando se
tornarem profissionais?

Se passar no ENEM, tudo bem,
uma faculdade vai fazer, caso
contrário quem sabe, vai ralar
e pagar comendo o pão que o
diabo amassou.

Mas o que importa realmente
é a base que formará estes possíveis
doutores.

Passam alunos por nossas mãos,
que nos deixam espantados, como
serão, quando estiverem formados?
Se empregados, seja onde for, dou
a louca e saio correndo, não me põe
a mão estes tais rebentos.

Diplomas podem comprar,
"passar de ano" sem saberem nada
também...
Mas quem paga o pato somos nós,
os pobres e os ricos neném.

O ENEM é prova de resistência,
e a vida lá fora nos exige isso.
Cada um é obrigado a arcar com
as consequências de seus atos, seja
no mundo, na rua, nos guetos e
além.

Que a escola também seja assim
como um ENEM, e que formem
os que se sobressaírem pelo esforço
próprio, de acordo com as singularidades
de cada ser.

Onde até quem não aprende a ler
por ter uma deficiência possa ter
o seu lugar ao sol, cada caso é um
caso, e a educação deve servir a todos,
e o maior objetivo deve ser menos
desastroso do que esta patifaria de
somente formar pessoas para o
trabalho .

Educação deve formar humanos
livres, críticos, ativos e capazes
de superação e construção de um
mundo sustentável, que caiba no
sonhos de todos.

By Adalmir Oliveira Campos
adalmir-campos.blogspot.com.br
adalmiroliveiracampos.blogspot.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário