sexta-feira, 9 de maio de 2014

Estranhezas de escrever


Estranho escrever sem ao menos ter a ideia
de se alguém vai ler, e se ler, se vai gostar, e se gostar
se vai compartilhar e comentar.

A gente embora não tente, sempre cria expectativas
e espera reconhecimento, se não, por qual motivo
escreveríamos? Para simples registros que seriam
mortos se ninguém os lesse?

Assim é a vida de cada "operário" e de cada "operária"
na prestação de seu trabalho. De um modo ou de outro
esperam a paga, que de um modo ou de outro vem, mas
não é só o dinheiro que satisfaz, vai além, nas amizades,
no companheirismo, no sorriso amistoso, no elogio
e motivação na hora certa, na correção longe dos olhos
curiosos.

Cada um é único e especial, e capaz de fazer coisas únicas,
portanto, sem igual.
E por isso são especiais.

Somos "operários" e "operárias" uns dos outros, e uns
para outros e juntos formamos um todo sem igual, onde espera-se
com certeza que o bem seja em comum e que o benefício
chegue a todos se não por igual, de modo justo.

E que se curta.
E que se comente.
E que se compartilhe.
Sem malícia, sem inveja, pois cada um tem seu espaço,
tem suas oportunidades, seus dons, talentos e habilidades,
e o limite é o céu, e no céu, pinta-se estrelas infinitas
e todas podem brilhar.

By Adalmir Oliveira Campos
adalmir-campos.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário