quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Escrever é igual fazer amor


Escrever é igual fazer amor...

É preciso intimidade com as palavras.
É preciso conhecer as possibilidades e as variações.
É preciso saber o toque, conhecer os murmúrios,
os sons, os ritmos e as rimas...

Escrever é igual fazer amor.
Começa na pequena vontade que se intensifica.
Necessita tesão e inspiração.
E como consequência gera transpiração.
As coisas fluem.

Escrever é igual fazer amor.
São breves toques.
São sussurros ao pé do ouvido.
São pausas, exclamações e interrogações.
Às vezes reticências e tudo recomeça.

Escrever é igual fazer amor.
Gera espasmos, suspiros, gritos,
gemidos, choros, sorrisos, alegria,
euforia, e muito mais.

Escrever, ler e fazer amor são assim...
Provocam orgasmos intensos e
grandes explosões de gozo e satisfação.

Escrever é igual fazer amor...
E ambos não podem terminar no ponto
final...
São breves tentativas de "Felizes para sempre".

By Adalmir Oliveira Campos

adalmir-campos.blogspot.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário