segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Te procuro entre as estrelas


Conto as estrelas do céu...
Conto carneirinhos pulando cerca.
E mesmo assim o sono não me vem.

Desde que você se foi, meu bem,
esta tem sido a minha sina.


É um deitar sem dormir.
É um constante pesadelo.
A vida um tormento...
De você almejo o zelo.

Conto as estrelas, buscando nelas
meios de me comunicar com você...
Elas são testemunhas de nossos beijos...
A lua nossa madrinha... E os demais
astros espectadores de uma história de amor.

Que não durou um noite.
Que não durou um dia.
Que permanece uma vida.

Pois amor que é amor não se acaba,
Não se encerra, e mesmo na distancia
Se faz vivo na memória e nos sonhos
que nunca sessam.

By Adalmir Oliveira Campos

Nenhum comentário:

Postar um comentário